A gravação eletromecânica foi inventada em 1961 pela empresa alemã Hell e não demorou até tornar-se popular. Empresas de embalagens e editoras logo passaram a utilizar. Mas as editoras perceberam uma vantagem na rapidez visto que os periódicos obviamente precisavam de muita rapidez e era uma corrida contra o tempo. Desenvolvolveu-se para as empresas de editoria especialmente, um produto chamada Opaline que carregava a imagem reticulada mas que o cabeçote de leitura da gravadora que era preparado para ler tons contínuos, era desfocado para que a máquina "lesse" as áreas de mínima, médias e máximas como se fosse um tom contínuo e enviasse essa informação para uma central que transformava esse impulso ópitico/elétrico em vibração de um pequeno diamante instalado num cabeçote e que fazia os alvéolos na superfície do cilindro de cobre a uma incrível velocidade de cerca de 3.500 impulsos ou alvéolos por segundo!   Com o aparecimento dos computadores gráficos na década de 1990, a gravação eletromecânica abandonou os filmes, opalines e tons-contínuos para trabalhar com imagens digitais e tornou-se o processo de gravação dominte no mundo, tanto em embalagens quanto em editoria. Hoje a Rotomaster possui 3 gravadoras eletromecânicas, e todos os nossos cilidros são gravados eletronicamente com a mais alta qualidade. Em embalagens com textos muito pequenos ou finos, temos como conseguir uma exelente resolução devido aos métodos que utilizamos. Gravação de cilindros com qualidade e alta definição, sem cobrar nada á mais por isso, você só encontra aqui na Rotomaster.   UM DIAMANTE ACIONADO POR IMPULSOS ELÉTRICOS TRANSFERE AS IMAGENS VIRTUAIS PARA NOSSOS CILINDROS. Rotomaster Um novo conceito em gravação de cilindros Fale conosco 011 4705-3422 Gravação eletromecânica de Cilidros para rotogravura. Desenvolvido por: ppe